25 setembro 2013

Grelha comparativa dos programas autárquicos para Lisboa

Hoje trazemos um comparador dos programas eleitorais das quatro* principais candidaturas à CML, Juntos Fazemos Lisboa (PS, Cidadãos Por Lisboa e Lisboa é Muita Gente), Sentir Lisboa (PSD, PP e MPT), CDU e Queremos Lisboa (Bloco de Esquerda).
Pensamos que é um documento fundamental para poder ler de forma resumida os programas, comparar as ideias e os projectos em causa, que poderá ajudar muitos eleitores indecisos.

O documento realizado por Rosa Félix, Filipe Beja e Miguel Carvalho, está dividido em várias categorias e subcategorias, desde a Acção Social aos Transportes Públicos, da Educação ao Comércio. Pegámos nos pontos que considerámos essenciais, deixando de lado pontos demasiado vagos ou demasiado consensuais.

Foi curioso ver o diferente nível de empenho das categorias, na realização dos seus programas.
A candidatura Sentir Lisboa parece-nos ser a que tem o programa mais amador, à qual falta alguma coesão.
A CDU apresenta um programa repleto de intenções de "estudos" e "melhorias" muitas vezes sem propostas concretas, necessitando, em nosso entender, de alguma concretização.
O programa da Juntos Fazemos Lisboa poderá apresentar citações, por ventura, mais curtas dado o formato de disponibilização, do programa aos eleitores (numa página de difícil leitura e navegação), sendo ainda assim o que nos parece ter uma maior coesão programática e ao mesmo tempo o que mais se foca no funcionamento interno da CML, fruto provavelmente, dos 6 anos de mandatos anteriores.
Por último, o Bloco de Esquerda tem um programa onde transparece bastante detalhe de concretização das medidas propostas




* Os programas das restantes candidaturas pode ser encontrado nos links seguintes:



CNE, desculpem lá qualquer coisinha.


Nota: A Grelha Comparativa dos Programas Eleitorais das 4 principais forças políticas (as que têm reais possibilidades de eleger Vereadores) que se candidatam à Câmara de Lisboa foi elaborada de forma a facilitar uma leitura rápida, sectorial e comparada das propostas que cada candidatura apresenta ao eleitorado.

Tudo o que foi colocado na “Grelha” são citações directas dos programas. Nela procuramos colocar, dividindo por temas, as propostas concretas, evitando enunciados vagos de boas intenções, que aparecem tantas vezes em Programas Eleitorais. No entanto, algumas propostas concretas não estão na “Grelha”, sobretudo porque considerámos que não tinham relevância suficiente, mas também, por vezes, por motivos do próprio equilíbrio interno da “Grelha”.

Existem muitas propostas concretas que não são competência da Câmara Municipal. Isto é: Não depende do Presidente da Câmara a sua implementação ou não. Esta questão ainda se torna mais problemática porque, nos Programas Eleitorais, quase nunca este facto é referido.

Para a elaboração da "Grelha" apenas nos baseamos nos Programas Eleitorais, não considerando outros documentos e declarações de campanha. Os Programas completos das candidaturas, podem ser encontrados na internet nos seguintes endereços:

Rosa Félix integra as listas do Bloco de Esquerda à Assembleia Municipal de Lisboa.
Filipe Beja integra a lista do Partido Socialista à Junta de Freguesia das Avenidas Novas.

8 comentários:

  1. Sendo apartidário, parece-me que um documento que é compilado por alguém que integra uma das listas levanta questões de imparcialidade. Nessa linha é facilmente perceptivel porque razão o programa do Bloco é claramente tido como melhor do que todos os outros. Não duvido da intenção e da procura de objectividade, mas que levanta algumas questões de idoneidade, levanta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Anónimo, percebo a sua posição mas deixe-me contextualizar essa frase que refere:

      1. A frase foi escrita por mim, e não pela Rosa Félix. Eu não tenho e nunca tive qualquer ligação ao partido em causa.
      2. Garanto-lhe que se abrir os programas, ficará com a mesma sensação.
      3. Trata-se de uma avaliação mais sobre a forma e do que sobre o conteúdo. O facto de uma lista ter um programa mais detalhado, pouco implica sobre a minha decisão de voto. Entre uma lista que explicite ao ínfimo detalhe um programa de demolição e reconstrução do centro histórico, e outra que defendesse por alto a manutenção e reconstrução do património habitacional, eu não teria a mínima dúvida em votar na segunda.
      4. Não me é claro como é que uma compilação que apenas contem cópias literais das fontes possa ser parcial. Foi para garantir a idoneidade que optámos por não fazer resumos, mas fazer copy-paste.

      Eliminar
    2. O Miguel tem razão. Eu acrescentaria que - apesar de acreditar que não existe essa coisa de "imparcialidade" na análise - na minha vida política e partidária já conheci muitos candidatos com sentido de autocrítica, capacidade de destanciamento, objectividade e frontalidade para reconhecer o que está ou foi bem feito por adeversarios políticos ou o que está mal dentro das suas "hostes"... Por outro lado, também conheci muitos não-militantes (e ainda mais não-candidatos), que parecem que vêem a política com clubismo: tudo o que é feito ou dito por quem não gostam é só para deitar abaixo, mesmo que sejam coisas que eles próprios defendem...

      Assim, essa questão da imparcialidade, ligada directamente a uma espécie de superioridade natural de quem nunca se comprometeu com um Partido ou uma Candidatura, não me parece nada óbvia...

      Eliminar
  2. Falta o PNR (Partido Nacional Renovador), que também concorre. Programa aqui: http://www.pnr.pt/2013/09/16/autarquicas-2013-programa-de-candidatura-a-camara-municipal-de-lisboa/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, já cá estava. Peço desculpa.

      Eliminar
  3. Melhor/Mais-concreto que o do Bloco é o do PAN

    ResponderEliminar