13 junho 2013

João Semedo, "ficaria"?

Como todos nos lembramos, em 2001 Portas apostou tudo em "ficar". 
Foi eleito e, claro, não ficou.
Hoje o Bloco de Esquerda lança a sua candidatura a Lisboa. Numa altura de poupanças em campanhas, dou a minha contribuição criativa, utilizando uma ideia que até funcionou no passado. Para quê complicar o óbvio?
O que está em causa nesta candidatura do Bloco de Esquerda em Lisboa, ao lançar o seu líder partidário, uma pessoa que conhece muito melhor a sua Cidade (Porto) do que Lisboa, é na verdade fazer o mesmo jogo político que Portas fez em 2001, o de tentar ser eleito para depois sair umas semanas depois. 
Nesta campanha perde desde logo Lisboa, que assim tem candidatos que a usam para sua promoção pessoal e afirmação partidária, em vez de se dedicarem de corpo e alma à discussão dos problemas da Cidade.
Mas João Semedo tem um desafio bem mais difícil do que Portas em 2001, já que a probabilidade de eleição será um objectivo muito ambicioso. Porque quer em 2001 com Miguel Portas, quer em 2009 com Luis Fazenda, o Bloco não conseguiu eleger o seu Vereador. 



4 comentários:

  1. Tive a mesma dúvida quando vi quem era o candidato do BE por Lisboa.
    O que me faz lembrar o alvoroço que houve em 2007 e 2009 em relação a António Costa - que ele só estaria a fazer uma perninha em Lisboa, que Lisboa iria apenas ser um poleiro e saltaria logo dali. Vê-se.
    Mas acima de tudo acho que é importante prestar homenagem a Santana Lopes, que como ex-PM e ex-líder do PSD, ficou como vereador, e fez o seu trabalho como vereador. Provavelmente não teria espaço para outros voos políticos, mas isso não tira brilho ao ter "ficado".

    ResponderEliminar
  2. Também acho que a questão que o Duarte levanta aqui (ficam?) é muito pertinente. Tanto para o Semedo como para a Ana Drago.

    ResponderEliminar
  3. Em relação ao Porto ser a sua cidade, João Semedo é de Lisboa e viveu a maior parte da sua vida em Lisboa...

    ResponderEliminar
  4. Cada um especula com o que lhe interessa. Se o João Semedo diz que fica, qual o interesse de duvidar da sua palavra a não ser colocá-lo no mesmo plano de seriedade intelectual e moral do Paulo Portas?
    E isso é, em si mesmo, intelectual e moralmente desonesto, além de ser política rasteirinha. O autor é capaz de melhor.
    Álvaro

    ResponderEliminar