16 maio 2013

Uma bonita montra... lá atrás da cortina

Na Rua Garrett, no Chiado. A rua com o imobiliário de retalho mais caro do País.
Este prédio acabou de ser remodelado e esta montra recém remodelada mostra-se em todo o seu esplendor. Um esplendor desaproveitado parcialmente com esta cortina de estacionamento permanente, para o qual o passeio se torna um espaço canal demasiado estreito e opaco.
Eu acho que esta verdadeira "cortina" com cerca de 25 lugares ao longo da rua toda tira alguma capacidade de negócio aos comerciantes. Estarei errado?

4 comentários:

  1. este filme já foi visto muitas vezes:
    1. sugere-se retirar estacionamento (ou até o trânsito rodoviário)
    2. os comerciantes vão-se queixar que isso lhes retira o que resta do negócio que já vai mau
    3. a seguir percebemos que o que realmente incomoda os comerciantes é que deixam de poder estacionar os próprios carros à porta da loja
    4. se a ideia for avante, as vendas até vão (estranhamente...) aumentar

    ResponderEliminar
  2. automobilizado16 maio, 2013 22:17

    Agora torna-se moda atacar os carros em tudo quanto é sitio. Os comerciantes vão sofrer sim se acabarem com o estaçionamento nesta rua. A qualidade de vida e conforto dos lisboetas também sai prejudicada. Já chega de campanhas descriminatorias contra os utentes do automóvel. Temos o mesmo direito que qualquer otro cidadão!

    ResponderEliminar
  3. Caro "Automobilizado":
    nada contra os carros, eu próprio tenho um.
    Neste caso devolvo-lhe a questão sob a sua argumentação: e que tal voltarmos a ter carros estacionados na Rua Augusta e no Terreiro do Paço?

    ResponderEliminar
  4. Caro Vasco Soeiro:
    Se calhar tem razão no seu prognóstico...
    Mas o que aqui quis mostrar foi que o investimento (avultado) naquela montra de jóias, se o comerciante olhar com "olhos de ver", numa rua cheia de gente como é esta, que ele está injustamente prejudicado, já que os peões evitam circular entre a "cortina" de estacionamento e as fachadas e vão para o lado contrário da rua ou mesmo para o meio da rua... estou a falar apenas numa perspectiva do negócio do comerciante.

    ResponderEliminar